Leptina - O hormônio da fome e da gordura localizada

A leptina é um hormônio produzido principalmente no tecido adiposo e tem como principal função estimular no cérebro a área responsável pela saciedade.
As concentrações desse hormônio são controladas conforme a quantidade de tecido adiposo presente no corpo, logo, quanto mais tecido adiposo, mais leptina.

Sendo assim, seria óbvio pensar que pessoas com mais tecido adiposo sentiriam menos fome e consequentemente comeriam menos, mas não é bem assim que acontece.
Quando o acúmulo de gordura passa a ser excessivo, o corpo cria uma resistência a esse hormônio, fazendo com que a pessoa não sinta seus efeitos na saciedade. Esse processo é denominado de resistência a Leptina.

leptina hormonio da fome e da gordura localizada

 

Qual a causa da resistência à leptina?

São diversos mecanismos celulares responsáveis pela resistência à leptina, conforme diversos estudos e pesquisas.
Podemos citar alguns exemplos como inflamações no hipotálamo, ácidos graxos livres (podem aumentar metabólitos de gordura no cérebro e interferir na sinalização da leptina) e os próprios altos níveis de leptina, que podem levar à resistência natural à ela mesma.

O que fazer para reverter a resistência à leptina?

Ao estimular a saciedade, a leptina é um importante aliado para quem está em busca da perda de peso. Porém, é necessário que o corpo reaja ao hormônio e por isso foram identificadas algumas formas de reverter o quadro de resistência à leptina.

A dica geral é procurar manter a integridade do intestino. Para isso, é importante evitar alimentos industrializados, embutidos e todos os “vilões” já conhecidos na dieta.
É importante também adicionar fibras solúveis à alimentação, pois podem auxiliar na saúde do intestino e proteger contra a obesidade.
A atividade física também é um fator importante e pode auxiliar a reverter casos de resistência à leptina. Uma boa noite de sono fecha nossa lista de dicas.

É importante lembrar que o conteúdo deste texto não substitui o acompanhamento médico. Recomendamos sempre que busque orientação personalizada de um profissional de saúde.

Deixe uma resposta